Porto Alegre - Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
1 Usuário On-Line
Bicho de Rua

Decifrando as palavras

Na causa animal algumas palavras geram confusão, e outras têm o nítido intuito de ocultar o verdadeiro ato por meio de uma versão mais branda e de significado distinto daquilo que de fato traduzem.

Envie por e-mail.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:

Envie para um amigo.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:


Digite o nome do seu amigo:
 
Digite o e-mail do seu amigo:

Na causa animal algumas palavras geram confusão, e outras têm o nítido intuito de ocultar o verdadeiro ato por meio de uma versão mais branda e de significado distinto daquilo que de fato traduzem.

A habilidade humana da fala e da escrita é impressionante. Que tamanha quantidade de palavras temos para expressar nossas vontades, anseios e esperanças e também para disfarçar e confundir os ouvintes ou leitores de nossos mais obscuros e secretos atos e pensamentos.

Em relação aos animais, algumas palavras geram confusão, e outras têm o nítido intuito de ocultar o verdadeiro ato por meio de uma versão mais branda e de significado distinto daquilo que de fato traduzem. Um exemplo para esse caso é a palavra "eutanásia".

Sabe-se que eutanásia significa boa morte. É a possibilidade de abreviar um sofrimento intenso e antecipar uma morte iminente e em extrema agonia. Sabe-se que esse recurso pode ser utilizado nos animais em estado terminal e mediante a indicação de um médico veterinário.

Os animais que são recolhidos pelos canis públicos, na maioria das vezes, quando não adotados ou procurados por seus responsáveis em curto espaço de tempo, acabam sendo mortos, e a palavra eutanásia vem sendo usada para designar esse procedimento. Não se enganem com as palavras, isso é apenas um eufemismo, ou seja, a substituição de um termo que caracteriza uma prática rude ou inconveniente por uma expressão mais suave ou agradável.

Ainda que os métodos e técnicas usadas para tal morte sejam os de uma eutanásia, sem dor, ainda assim o conceito está errado pois esses animais não precisam e não devem morrer. A falta de prevenção e o despreparo dos gestores em evitar a procriação sem controle de animais de rua criaram esse exército de seres que, doentes, famintos e sendo maltratados, perambulam pelas cidades, são recolhidos, amontoados em canis com instalações precárias e ali aguardam passivamente a chegada da morte. Essa morte vem vestida de branco mas traz a escura face da falta de compaixão.

Também não se deixem levar pelo termo sacrifício. Essa palavra significa renúncia voluntária a algo ou, ainda, imolação à uma divindade. Alguém conhece um animal que tenha feito uma dessas opções? Assim como no caso da eutanásia, sacrifício é só mais uma expressão que tenta abrandar o que de fato acontece: controle populacional de animais via extermínio.

As soluções existem: programas de esterilização em larga escala, adoção sem preconceito de animais sem raça definida, estímulo à guarda responsável e principalmente educação.
Educação em todos os sentidos: no sentido social, para desenvolver a sensibilidade e a cultura para o respeito a todos os seres vivos, e no sentido formal, para que você não seja enganado e manipulado por pessoas que deliberadamente façam mau uso do significado das palavras.

Marcia Scarparo Simch
Cirurgiã-Dentista
Diretora de Marketing do Projeto Bicho de Rua

 

Tweetar