Porto Alegre - Terça-feira, 18 de Junho de 2019
1 Usuário On-Line
Bicho de Rua

Seis mitos desmentidos e uma verdade sobre a esterilização

Leia com atenção. Conheça os seis mitos da esterilização. A informação faz toda a diferença.

Envie por e-mail.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:

Envie para um amigo.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:


Digite o nome do seu amigo:
 
Digite o e-mail do seu amigo:

Leia com atenção. Conheça os seis mitos da esterilização. A informação faz toda a diferença.

Seis mitos e uma verdade sobre a esterilização

1. Toda a fêmea deve ter pelo menos uma cria antes de ser castrada/esterilizada. Mito.
Quanto mais cedo a fêmea for esterilizada, menor será a chance de ela desenvolver algum tipo de tumor de mama. O ideal é que a esterilização ocorra antes do primeiro cio.

2. A esterilização faz mal à saúde do animal. Mito.
Fêmeas castradas, além de não apresentarem problemas como piômetra, hemorragias uterinas e tumores relacionados aos orgãos do aparelho reprodutor feminino, também evitam o contágio por doenças sexualmente transmissíveis como o tumor de Sticker. Castrando as fêmeas ainda se evita a pseudociese (gestação psicológica) e, com ela, a formação de leite nas mamas.

Machos castrados diminuem significativamente a incidência de hiperplasia prostática, doença comum aos homens e que acarreta dificuldade para urinar e defecar. Também não adquirem doenças sexualmente transmissíveis. Quando castrados antes da puberdade, os machos não desenvolvem o instinto de demarcação de território. Tornam-se mais dóceis em relação a outros animais, inclusive outros machos e como conseqüência, por evitarem brigas e disputas com outros da sua espécie, pelo território ou por fêmeas, diminuem os traumatismos decorrentes desses comportamentos.

O cio é um fator de estresse para os animais, assim nesse período observa-se a queda de imunidade que favorece o aparecimento de certas doenças. Animais castrados não passam por essa gangorra imunitária.

3. Animal castrado fica obeso. Mito.
A castração por si só não determina que o animal se torne obeso. A obesidade depende de vários fatores como dieta inadequada ou ingesta excessiva, pouca ou nenhuma atividade física, taxa hormonal do organismo, etc.

4. Machos depois de castrados ficam boiolas. Mito.
Machos castrados não se tornam homossexuais e sim assexuados. Os animais só copulam para procriação. Por esse motivo, depois de castrados não desenvolvem nenhum problema psicológico em relação a sua sexualidade. Apenas acaba o instinto de procriar.

5. Castrar gatos machos produz cálculos urinários. Mito.
Foi comprovado que a castração não interfere na formação de cálculos urinários. A inadequação da alimentação, ingesta hídrica, sexo, entre outras, é que podem ser fatores predisponentes à patologia.

6. Dar anticoncepcionais é melhor que fazer a cirurgia de esterilização. Mito.
Anticoncepcionais são hormônios e, quando usados de forma indiscriminada, predispõem o desenvolvimento de tumores mamários e infecções uterinas e isso vale tanto para cadelas como para gatas, independentemente de os anticoncepcionais serem de uso injetável ou oral. Acontecendo um desses casos, a cirurgia de esterilização se tornará obrigatória para resolver o problema, mas estará sendo feita de forma emergencial o que representa alto risco para o animal. Não espere acontecer, esterilize antes!

7. Esterilização é um ato de amor. Verdade! Permitir que os animais procriem só aumenta a dor e o sofrimento dos tantos que restarão abandonados.

Roberta M. Zander
Médica Veterinária
CRMV/RS 6095

Giane Del Río
Medica Veterinária
CRMV/RS 5093

 

Tweetar