Porto Alegre - Sexta-feira, 23 de Agosto de 2019
1 Usuário On-Line
Bicho de Rua

O retorno de Bob Borges

Conheça a história do cãozinho Bob, dede a sua chegada na vida da Protetora Bia, seu desaparecimento e retorno mais de um ano depois. Uma história sobre amor, esperança e segundas chances.

Envie por e-mail.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:

Envie para um amigo.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:


Digite o nome do seu amigo:
 
Digite o e-mail do seu amigo:

Conheça a história do cãozinho Bob, dede a sua chegada na vida da Protetora Bia, seu  desaparecimento e retorno mais de um ano depois. Uma história sobre amor, esperança e segundas chances.
Quem nos conta essa linda história é a Protetora Bia Guterres. Bia é professora, protetora dos animais e uma e adoradora da Vida.

“Bob surgiu, faminto e assustado na escola em que trabalho em 2009. Chamou a nossa atenção e em poucos dias, já estava dentro de um dos pátios, sendo cuidado por um pequeno grupo de professoras e funcionárias.

Após ter sido encaminhado à veterinária, ter tomado as vacinas e, finalmente, estar saudável, começamos a aproximação com os alunos. Para nossa alegria, Bob era extremamente afetivo e intuitivo com as necessidades de muitos deles. O filhote demonstrava gratidão e carinho por adultos e crianças.

Infelizmente, a permanência e presença de nosso amigo não era unanimidade entre os adultos...

Nem eu, nem Luísa, a colega também por ele responsável, tínhamos condições de assumí-lo em nossos apartamentos devido à lotação já esgotada.

Mas ele foi ficando na escola e acreditávamos que seria para sempre. Não foi. Em janeiro de 2010 Bob desapareceu.

Coloquei fotos nas redondezas e fui, juntamente com outras colegas, a lugares onde pessoas indicavam tê-lo visto. Algumas evidências apontavam para o fato de Bob ter sido levado para longe.

Após ter solicitado ajuda através de um jornal local, ocupei-me de entrar em sites de busca de mascotes perdidos e colocar a foto de Bob. Para algumas pessoas, Bob fugira, fora roubado, saíra para passear e se perdera...

Os dias foram passando, as semanas e os meses. Enquanto algumas pessoas guardavam Bob na sua memória e aceitavam sua ausência, eu nunca deixei de procurá-lo ou de desejar o seu retorno. Também, minha colega Luísa.

Neste tempo, recebi emails de pessoas que julgavam ter visto o nosso filhote, fui a alguns lugares para fazer o reconhecimento de um “Bob encontrado” e mantive contato com várias grupos que trabalham no resgate de animais. Minha rede de pessoas que “abraçam a causa animal” foi aumentando. Uma querida protetora caminhou por muitas ruas próximas à escola tentando encontrar pistas sobre o desaparecimento do Bob.

No final de 2010 eu pedia o meu presente de Natal, Ano Novo e aniversário: encontrar aquele cachorrinho que eu ajudara a ficar forte e saudável. Reencontrar um amigo.

Mas as pessoas têm funcionamentos diferentes e, enquanto eu procurava manter Bob vivo em minha memória, aconselhavam-me a esquecer. Mas como esquecer um querido amigo?

Em todo o tempo de minhas buscas, meus ouvidos mais próximos e confortadores foram os de duas grandes e queridas amigas cachorreiras, como eu. Ada e Gi, mesmo morando longe de Porto Alegre, ouviam-me, torciam pelo Bob, mandavam e-mails, preocupavam-se e desejavam que ele fosse logo encontrado. Também a veterinária de Bob, Maria Elisa, sentia sua falta e ouvia-me carinhosamente, nas muitas vezes em que fui até sua clínica.

Quando conversava com Gi e Ada sempre enfatizava o fato de que um dia iria reencontrar quem mais fazia falta. A cada mês eu renovava o contrato no site de buscas Cachorro Perdido. Nunca retirei a foto de Bob.

Então, em julho de 2011, Zuleica entra em minha vida trazendo o melhor presente. Ela caminhava pela Assis Brasil quando viu um cachorro molhado de chuva, tremendo de frio e com muita fome. Levou-o para sua casa com a convicção de que ele tinha um dono a sua procura.

Enquanto o bichinho descansava em seu pátio, ela procurou e encontrou sua foto no site de busca. Após entrar em contato, mandar as fotos que tirara ficou aguardando que fossemos (duas colegas e eu) até sua casa para fazermos o reconhecimento. Confesso que eu estava um pouco descrente, pois já vivenciara situação semelhante e sem resultado positivo.

Mas uma coisa chamou minha atenção, de imediato: além da semelhança verificada pelas fotos, a grande coincidência: Zuleica encontrara o cachorrinho há poucas quadras da veterinária de Bob. Ao levá-lo para sua casa, o trouxe para bem perto da minha, pois descobrimos ser praticamente vizinhas.

Bob estava de volta! E ao receber seu carinho e lambidas de reconhecimento, ao poder abraçá-lo mais uma vez, senti-me presenteada. No momento de nosso reencontro , consegui finalmente me sentir em paz. E feliz!

Graças à tecnologia que permitiu que a imagem de Bob fosse espalhada pela rede, ao carinho e presença de muitas pessoas e, especialmente, de Zuleica , que o encontrou, posso contar esta história trazendo um outro final.

Bob está em tratamento, hospedado na veterinária que o acompanhava desde filhote. Ainda não está forte e saudável o suficiente para retornar à escola e visitar os alunos, familiares e professoras e funcionárias que sempre lhe quiseram bem. Mas, fica comigo e com minha turma canina e felina, nos finais de semana e em qualquer outro momento que possa buscá-lo para passear.

Bob sofreu experiências que o tornaram um pouco receoso, mais assustado... Aos poucos vai melhorando e reassumindo a força e confiança.Hoje, tenho a certeza de que Bob escapou de onde estava e buscou pelas pessoas que sempre o amaram.

Bob, em outubro, vai ganhar seu definitivo e amoroso lar: Ada e Gi , as amigas que sempre torceram por ele, e que o adoram, virão buscá-lo. Bob vai morar com elas e seus novos irmãos gaúchos, no Ceará!

Estar com elas é estar comigo, pois o amor que sentem por ele é igual. Ganhei um dos meus melhores presentes: uma segunda chance! A possibilidade de reencontrar o Bob, auxiliá-lo novamente e encaminhá-lo para um porto seguro e feliz.

Se você, que me lê, vive uma situação parecida com a minha, se o seu mascote desapareceu, não perca as esperanças.

Primeiro, deseje fortemente, que ele esteja bem onde estiver e que assim permaneça até seu reencontro. Depois, trabalhe para que isso aconteça: fale com as pessoas, espalhe fotos, procure pistas, inscreva-se em sites de busca e torne-se, você também, uma pessoa que ajuda os perdidos, famintos e abandonados. Enquanto sua busca continua você ajuda a amenizar a dor de outros como você, como eu, como seu vizinho...

Enfim, NÃO DESISTA NUNCA! VALE À PENA ESPERAR E ACREDITAR...

CLIQUE NO LINK ABAIXO E VEJA OUTROS ANIMAIS QUE BUSCAM O CAMINHO DE VOLTA PARA CASA. QUEM SABE VOCÊ PODE AJUDAR.



Link Relacionado:

http://www.bichoderua.org.br/2k8/pt-br/achados/achados_resultadoBusca.php

Tweetar