Porto Alegre - Domingo, 27 de Setembro de 2020
1 Usuário On-Line
Bicho de Rua

Morte de cachorro comove Igrejinha

Idoso de 76 anos e seu neto de 16 anos espancaram e queimaram cão de rua. Os dois foram indiciados e responderão por maus tratos a animais, seguido de morte.

Envie por e-mail.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:

Envie para um amigo.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:


Digite o nome do seu amigo:
 
Digite o e-mail do seu amigo:

Idoso de 76 anos e seu neto de 16 anos espancaram e queimaram cão de rua.  Os dois foram indiciados e responderão por maus tratos a animais, seguido de morte.

13/06/2010 - A morte de um cão comoveu os moradores de Igrejinha, no Vale do Paranhana, esta semana. Depois de espancar o animal a pauladas, ao lado de sua casa, no bairro Anita Garibaldi, Podalirio Lemos, 76 anos, teria ateado fogo no cachorro ainda vivo, na última quarta-feira. O idoso nega as acusações, enquanto os vizinhos afirmam ter ouvido os uivos do bicho queimando em uma pequena fogueira feita com gravetos, combustível e papelão.

O corpo do cachorro ainda pegava fogo quando fiscais da Secretaria do Meio Ambiente chegaram ao local, após receberem uma ligação de um vizinho. Com um familiar, que também teria espancado o cachorro, o aposentado foi encaminhado pela polícia à delegacia.

– Ele disse que o animal, que era de rua, entrou no pátio deles várias vezes, por isso ele matou. Ele não precisava ter feito isso com o animal. Tenho pelo menos quatro testemunhas que confirmam o crime – relatou o delegado Florisbaldo Nascimento Cruz, responsável pelo caso.

Na tarde de ontem, o idoso negou ter espancado e matado o animal, e disse que é uma pessoa religiosa.

– Sou um homem de Deus, não faria uma coisa dessas. O bicho já estava morto há dois dias, morreu de peste, eu só fui colocar fogo para me livrar daquele cheiro horrível. Estão mentindo agora que eu matei. Tanto que até agora não apareceu dono – disse Lemos.

Ele afirmou ainda que não pode mais sair de casa desde o dia da morte do animal porque estaria sendo ameaçado pelos vizinhos.

O caso ganhou as páginas do jornal local e se tornou assunto nas rádios e entre os moradores. A Secretária do Meio Ambiente do município, Andressa de Azambuja, se revoltou com o caso:

– Fiquei chocada quando me ligaram para avisar que o animal estava sendo queimado vivo. Esse foi um crime horrendo, todos estão comovidos. Eu sou uma defensora dos animais e não consigo entender uma brutalidade dessas.

A polícia segue as investigações sobre o caso. Lemos deve ser indiciado pelo crime de crueldade contra os animais, que pode ter como punição multa entre R$ 500 e R$ 2 mil e pena de três meses a um ano de detenção, que pode ser revertida em prestação de serviços à comunidade. No caso da morte do animal, a punição pode ser aumentada em um terço ou um sexto.

Fonte: Zero Hora.com – Letícia Mendes

08 de julho de 2010 Idoso que agrediu e ateou fogo em cachorro é indiciado

A morte de um cão que comoveu moradores de Igrejinha, no Vale do Paranhana, em meados de junho, teve o inquérito policial concluído na semana passada. Um idoso de 73 anos foi indiciado por maus-tratos e corrupção de menores.

De acordo com depoimento de testemunhas, depois de espancar o animal a pauladas, ao lado de sua casa, no bairro Anita Garibaldi, o idoso teria ateado fogo no cachorro ainda vivo, com ajuda do neto de 16 anos.

O inquérito policial foi remetido à Justiça. O idoso nega as acusações, enquanto os vizinhos afirmam ter ouvido os uivos do animal queimando em uma pequena fogueira feita com gravetos, combustível e papelão.

O corpo do cachorro ainda pegava fogo quando fiscais da Secretaria do Meio Ambiente chegaram ao local, após receberem uma denúncia.

A pena para maus-tratos contra animais pode chegar de três meses a um ano de detenção e multa. A corrupção de menores, de um a quatro anos de prisão..

Fonte: Diário Gaúcho - Letícia Barbieri

 


Link Relacionado:

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2934882.xml&template=3898.dwt&edition=14875

Tweetar