Porto Alegre - Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
1 Usuário On-Line
Bicho de Rua

Cavalos selvagens

Estamos tão acostumados a ver cavalos famintos e vencidos em nossas cidades que quase esquecemos do quanto eles podem ser elegantes e ... selvagens.

Envie por e-mail.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:

Envie para um amigo.

Digite seu nome:
 
Digite seu e-mail:


Digite o nome do seu amigo:
 
Digite o e-mail do seu amigo:

Estamos tão acostumados a ver cavalos famintos e vencidos em nossas cidades que quase esquecemos do quanto eles podem ser elegantes e ... selvagens.

Cavalos que não conhecem o toque do homem. Nascem e morrem livres. Quantos existem? Poucos, bem poucos.

No Brasil os cavalos selvagens habitam as planícies de Roraima e sofrem com a ameaça de extinção.

O cavalo selvagem chegou ao Brasil por volta de 1718 e agora está ameaçado devido às queimadas e ao desmatamento, que destroem seu habitat natural, e ao cruzamento com outras raças, que tem contribuído para a sua descaracterização. Estima-se que haja poucos animais da espécie atualmente, talvez menos de 200.

Para tentar preservar a raça foi criada há mais de 20 anos a Reserva Ecológica dos Cavalos de Roraima. Hoje, os poucos animais localizam-se principalmente na região de lavrado, nos municípios de Uiramutã, Normandia e Pacaraima. Atualmente, a Embrapa está estudando esses animais com o objetivo de preservá-los e de regulamentá-los junto ao Ministério da Agricultura, para que eles se tornem a mais nova raça de cavalos brasileiros.

Por viverem em regiões de difícil acesso, muitos desses animais nascem, crescem e morrem sem ter o contato com o ser humano, formando assim várias gerações livres do adestramento. Entre as suas características destacam-se a velocidade, resistência e habilidade. Considerado um animal esperto, de porte elegante, o cavalo selvagem de Roraima tem olhos grandes, pernas fortes e flexíveis.

Dizem os especialistas fascinados pelo estudo deste animal que os cavalos de Roraima não têm a elegância de raças nobres, como os mangas-largas marchadores ou os puros-sangues ingleses, mas ganham a galopes em resistência. Durante a seca, andam grandes distâncias para encontrar água e, na época das chuvas, ficam até quatro meses com as patas imersas dentro d`água. A raça ficou até conhecida como pé duro, pela resistência de seus cascos.



Fonte:
www.ecoviagem.com.br/fique-por-dentro/artigos/meio-ambiente/cavalos-selvagens-de-roraima-182.asp

 

Tweetar